Domingo, 01 de Maio de 2011

Existe mais de uma forma de ser mãe.

Mas ser mãe é sempre ser exemplo. De trabalho, de amor, de talento, de força, de caracter, de bondade...Ou de outros menos positivos, infelizmente.

Daí a enorme responsabilidade.

Por isso fica aqui este postal em branco, aberto, por preencher...Cada um escreverá o que sentir ser justo.

Porque, sinto muito, já não embarco em poemas aplicados a todas as as mães do mundo.

Já vi e vivi demasiado, na vida e na escola, para alinhar nesses violinos a tocar para todos....

Para ser mãe, ou pai, não basta ter filhos.

Não basta querer, não basta alimentar, comprar roupas bonitas ou todos os telm e carros disponíveis -é preciso ser capaz fazer um esforço quase sobre humano em alguns dias.

É preciso deslocar o nosso coração para fora do peito...

É preciso ter coragem de vencer o nosso ego e ter os filhos para a vida, não apenas para nós. Ou para nos preencher uma lacuna ou a falta de atenção e orientação de que possamos ter sido carentes na infância.

É preciso vencer o nosso egoísmo que permite que sejam dependentes, para que sempre precisem de nós e assim garantir a sua permanente proximidade, ainda que notoriamente por "necessidade"deles, não por amor puro, reconhecimento ou companheirismo.

É preciso respeitar os filhos profundamente para nunca- mesmo quando eles ainda são pequenos e não se dão conta- os coloquemos em segundo plano, ou os utilizemos como armas de arremesso ou corrompamos o seu carácter em nome seja do que for. Ou pior, a sua autonomia ou o seu futuro como pessoas inteiras e responsáveis.

É preciso ser mãe de coração aberto, e amando-os o suficiente para tudo fazer que permita que a sua vida seja melhor que a nossa - em todos os sentidos.

E para se ter uma boa vida é preciso fazer crescer em vários sentidos.

Amá-los é deixar que isso aconteça e deixá-los ter futuro, não atrasar o seu crescimento ou a sua formação, que há de contribuir (aposto nisso) para que este mundo seja um lugar melhor com a sua vinda.

Permitir que os filhos deixem a sua marca positiva, ainda que modesta, neste mundo onde tantos fazem e repetem os mesmos erros é a central inspiração do meu papel de mãe.

Quando um dia fechar os olhos, gostava de levar esse amor e esta certeza...

Bom dia a todas, especialmente à minha



publicado por Marta M às 13:18
Olá Marta!
Quando sou atacado por uma forte preguicite aguda, sento-me a um catinho, bem arejado e com boas vistas, à espera que a crise passe...
Foi o que me aconteceu, principalmente quando o assunto é profundo!
A minha grande Amiga diz-me que ser Mãe é ser exemplo...
Discordo plenamente porque ser-se exemplo é escravatura de corpo e alma e isso, jamais concebi, porque a minha doce Mãe, enquanto viva, deu-se ao marido, aos filhos, à escrita, a casa, em fim, à Vida, de uma forma extremamente madura, naturalmente natural, que nunca a fez duvidar de si mesma!
A Mãe das minhas filhotas enveredou por esse caminho, de se mostrar, a todo o custo, como Hiper-Mulher, esposa, mãe e trabalhadora «professora».
Preocupadissimo, roguei-lhe, infinitas vezes, que não o fizesse porque, esse caminho, só a levaria a um cansaço precoce, da vida em si mesma.
Teimosamente, desejando estar no trilho correcto, quiz ser a tal Super-Mulher Exemplo, para ela, para a familia e para a sociedade.
De tanto se esforçar, acabou destruindo o seu casamento, ela reconhece-o com tristeza, mas como jamais foi, nem de torcer, nem de quebrar, hoje vive uma vida fingida de que é uma aposentada feliz. Ela própria reconhece ter errado, mas sabe também que os actos passados não são corrigíveis; deixam, isso sim, marcas profundas, que poderão ser amainadas com «dosméticos», disfarçadores de certas e determinadas cicatrizes, ainda em lume brando...
Quiz dar um exemplo acima das suas forças psiquicas. Hoje aconselha, vivamente, as duas filhas a não cairem nesse, erro, exagero, que enfernizou a sua vida.
Nos primeiros mêses de casados, quando me apercebi que ela teimava em ser exemplo, fiquei estarrecido, porque sabia que essa sua atitude, por mais ductilidade existente da minha parte, iria cavar um fôsso entre ambos, separador do exagêro compulsivo do são equilibrio.
Marta, Deus não nos criou para sermos exemplos, seja daquilo que fôr. Ele deseja que nos amemos, e amarmo-nos, é nunca nos deixarmos cair nos exageros que só nos fazem ver que ainda não conseguimos chegar lá... E isto é tão duro de roer...
O querermos ser exemplo, disto, daquilo, e daqueloutro, a meu ver, é um complexo de inferioridade, que só nos causa mau viver, só nos destrói, só barra o caminho ao nosso direito de ser felizes!
Posto isto, chega de conversa, que o Domingo está de sol, que me convida a caminhar tranquilamente, sem desejar ser exemplo, seja do que fôr, e seja para quem fôr...!
Beijinho de amizade,
Marcolino
Marcolino a 8 de Maio de 2011 às 12:17

Marcolino.
Entendo que escreve este post a partir das suas vivências e, portanto, interpreta o que escrevi a essa luz...
Nunca me vejo como exemplo a seguir, não é por aí...
Quando refiro exemplo, no caso de uma mãe, faço-o por constatação de as mães são modelos e exemplos concretos para os filhos.
Do bom e do mau...
Daí a importância de reflectir bem sobre as nossas atitudes.
Abraço e obrigada por mais este comentário onde nos ajuda a ir pensando estes temas.
E levei uns dias a pensar sobre o que escreveu...
Acredite,valorizou-o muito.

Abraço
Marta M
Marta M a 14 de Maio de 2011 às 22:52

Gostei muito do post e do blog.
Como quero voltar cá, se não te importares, adiciono-te.
Também sou mãe e entendo perfeitamente o que dizes. Formar pessoas boas e livres é o nosso maior desafio.
excessiva a 8 de Maio de 2011 às 23:24

Olá
Seja bem vinda a esta tribo.
É um gosto que me adicione e faça a gentileza de me ler.
Já fiz o mesmo com os seus blogs porque também gostei da sua escrita poética.
Sabe tenho uma admiração secreta por quem consegue versejar..
Sou uma nulidade a fazê-lo.
Volte sempre que entender, será sempre bem vinda :)
Marta M
Marta M a 14 de Maio de 2011 às 23:41

Marta minha amiga desculpe incomodá-la mais uma vez com o mesmo assunto mas sinto-me em dívida consigo. Como sabe tenho andado em baixo e ando extremamente cansada e sem estímulo para muito. Assim sendo e porque eu sou uma tonta que abro blogs em exagero e tinha agora sete, um para os livros, outro para histórias, um de prosa, outro de poesia, cozinha sei lá uma palermice , mais o faceboook que fui adicionando sempre quem me pedia e me enche a caixa de mail com tanta coisa estranha e sem tino e aonde quase nunca vou, portanto amiga resolvi aos pouquinhos reduzir para três blogs e apagar o facebook que timha e fazer um outro só por causa dos livros que nem ligo muito ( ou convenhamos... sei trabalhar com aquilo) tudo para lhe explicar que abri 3 blogs onde juntei tudo e só escreverei quando der sem obrigação e pronto. Se a Marta achar que ainda tem paciência para esta sua amiga maluca, ia gostar de a ter por lá.
Deixo-lhe o link se quiser claro não levo nada a mal que não me adicione e não é por isso que deixarei de a considerar a pessoa espectacular que isto é só porque eu considero os amigos que me consideram e me tratam bem e achei que devia dizer-lhe que fui fazendo isto aos bocadinhos porque já não consigo nem me apetece ter tanta coisa para cuidar, quando há coisas tão sérias que requerem a aminha atenção. Aproveito para lhe agradecer todo o carinho, preocupação e amizade que me tem dado. Um beijinho e perdoe esta nova mudança. http://letrasquepecam.blogs.sapo.pt/ http://onzeesmeraldasnofundodolago.blogs.sapo.pt
omeueudepapel a 12 de Maio de 2011 às 20:43

Desulpe os erros ando tão exausta que já troco tudo. Bjs para si e os filhotes e tudo de bom sempre
omeueudepapel a 12 de Maio de 2011 às 20:45

Minha amiga só lhe quero vir dizer agora muito obrigada. Já lhe tinha dito mas renovo. Por vezes há pessoas que nos surpreendem e hoje escrevi um post , onde digo que não me arrependo de nada, nem das palavras que disse que tive de pedir desculpa, porque fui injusta. Porque pedir desculpa, perdão e reconhecer que errei nunca me custou e calha a todos errar ninguém é perfeito. Serve para aprender sempre mais, se podermos, a evitar fazê-lo. Por isso hoje, também reconheço que no seu caso, se errei no meu julgamento um dia, recrimino-me total e sinceramente. Mas... por outro lado fico um pouco contente ( se isto e perceptível). Porque ao pedir desculpa e ao "falarmos" e ao entender as coisa como se deve tenho a oportunidade de a chamar de amiga. De o sentir de verdade e de me sentir também feliz, porque a sei, minha, de facto. Muito obrigada! Um beijinho muito grande. Obrigado por todo o seu carinho, compreensão , preocupação e generosidade . Feliz fsemana para si e todos que ama.
Fátima Soares a 13 de Maio de 2011 às 23:18

Fátima:
Não há nada que agradecer, menos ainda a lamentar.
A amizade é exactamente isso: Ajudarmo-nos a ir mais longe, apoiarmo-nos em momentos que importa fazê-lo e a dar o melhor de nós quem chamamos de amigo/a.
Tudo o resto é acessório.
Não sei se reparou que retirei há algum tempo o contacto de mail do meu perfil…Porquê?
Porque eu, como todos o que andamos por aqui na blogosfera , podemos ser alvo de pessoas mal intencionadas - ou menos iluminadas - e, no meu caso, também já aconteceu.
Os comentários sem nível ou educação mínimos foram apagados, mas o mail estava a permitir um acesso que não conseguia controlar. Como vê, acontece a todos, e o melhor é mesmo ignorar.
Foi o que fiz, nunca o comentei e o assunto extinguiu-se valendo o que sempre valeu para mim: Nada que me ocupasse mais do que os 2 minutos que levo a fazer delete ” ;)
Como vê, e talvez porque já vivi (e cresci) no meio de tantos conflitos, mal entendidos e dificuldades de vária ordem, não pretendo nunca mais alimentar nada que ameace a paz que, a pulso e sacrifícios pessoais, consegui alcançar.
Ela vale muito.
O outro suposto assunto, não passou disso – um enorme mal entendido e está enterrado há meses para mim, acredite.
Levei algum tempo a perceber o que se passava, mas depois deixei que tudo se resolvesse por bem e assim foi. Sabia que estava a lidar com algo estranho e mal explicado para mim e que o tempo esclareceria.
E assim foi.
Mais porque estava a lidar com uma pessoa de bem e educada e isso é sempre uma garantia, não acha? Tive sempre essa certeza.
E depois, como já referi, há tanta coisa tão mais séria e importante na vida que requer a minha atenção e energia…
Concentremo-nos nelas – nas boas e que constroem pontes de entendimento -não lhe parece?
É um gosto continuar a ler a sua escrita sempre franca e de coração na mão. Sendo difícil viver com tanta sensibilidade à flor da pele porque nos escava mais e mais o espaço interior, também é bem verdade que neste mundo onde tantos valorizam o ter, o parecer, ou a vida alheia, a Fátima fala principalmente de si, dos que ama, de bons sentimentos e propõe sempre um mundo melhor para todos.
Isso são qualidades amiga, e raras.
Abraço grande
E boa sorte para os novos blogs ;)
Marta M

Marta M a 14 de Maio de 2011 às 23:36

Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27

29
30
31


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO