Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

 

Hoje quando terminei a pilha de testes que devo entregar a amanhã aos meus alunos, dediquei uns curtos minutos à meditação, e não consegui apaziguar a minha mente, nem aceder à minha habitual paz interior...Mais uma vez.

E  tanta falta me tem feito nos últimos dias em que o cansaço físico se veio acumular com a tristeza de perceber (ter de admitir?) que os anos passam, os contextos se alteram, as pessoas envelhecem, vivenciam experiências dolorosas e transforamdoras e, ainda assim, persistem nos mesmos padrões e erros...

Surpresa? Na verdade não...

Triste? Imensamente.

Imensamente, porque percebo que agora o passo é meu e, quer goste, me revolte, ou não, tenho que o assumir.

E desistir.

Sim, desistir de tentar fazer compreender, de mostrar e repetir razões e argumentos...

De apelar a que, se pelo menos não se entende, que se respeite porque se trata de uma escolha que só a mim cabe.

E à qual tenho absoluto direito a gerir como entendo. Logo eu, que sempre respeitei as opções de todos, concordasse (e não concordei) ou não.

E se ainda a formula que querem impor fosse recomendável ou tivesse dados bons resultados...Pois ainda se entendia.

Agora, tendo comprovado que não trouxe proximidade, intimidade ou bem -estar a ninguém..Pois, torna-se mesmo muito difícil perceber a insistência na prescrição...

E na imposição do modelo.

Mais quando repetido um apelo, se persiste, se responde mal, se diz que não ouviu (ou não quis ouvir...) e por cima se vitimizam...

E "embrulham" todos numa confusão desnecessária...

E que se repete, ciclicamente, o mesmo...

Pois, a culpa já é de quem pede e se expõe à não-colaboração mais que anunciada.

Provavelmente é por fraqueza que o não fazem. Porque não se controlam ou entendem que não merecemos o esforço.

Ou não entendem o que se pede, ou não sabem, nem querem aprender a viver de outra maneira.

Em todos os casos a culpa é minha, que insisto.

E não posso mais fazê-lo sob pena de parecer ingénua ou tola- irrelevante...Até.

Aceito que esta é uma situação que não controlo, que não posso alterar e que criar um conflito não vai trazer nenhum benefício, nem evitar que se repita.

Só posso salvaguardar-me, colocar-me inevitavelmente à defesa, e tentar aceitar esta inevitável desilusão de não chegar à harmonia - que eu sempre acreditei, com esforço mútuo, ser possível.

É um exercício pessoal e interior que nos pede um reforço do nosso amor por alguém, porque é precisamente nesses momentos exigentes que  ele faz mais sentido ou mostra  o tamanho da sua força. 

São as limitações da nossa vida em comum e, também, da nossa condição humana.

De todos.

Nem tudo está na nossa mão.

 



publicado por Marta M às 18:50
A minha vida, os meus pilares de segurança, de felicidade foram por assim dizer...destruídos, a pessoa que eu confiava 100% destruiu a nossa vida, tudo porque pensava apenas em si mesmo, nas suas necessidades.
Tentei mostrar que o comportamento dele era incompatível com o Amor, quando se ama temos que reavaliar a nossa forma de estar, de conviver com a pessoa que nos ama, mostrar amor está não só no nosso quarto mas nas nossas acções do dia-a-dia, e temos que investir, aprender a dar e também em receber.
Tentei da forma que sabia, naquela altura, mostrar que era necessária mudança mas ele não entendeu assim… não vou cansá-la com a minha história!
Mas quero apenas dizer que não devemos dar mais de 100% de nós, não nos devemos desgastar, porque um dia a tristeza toma conta do nosso coração e quando damos por nós já passou tanto tempo, destruímo-nos, e afinal o outro deixou de nos ver.
A felicidade volta ao nosso coração e voltamos a sorrir quando voltamos a ter o nosso amor próprio, e chegamos a conclusão que não temos que mudar ninguém, ele mudará quando entender… no meu caso foi quando nos perdeu.
Quando me divorciei estava grávida de 8 semanas (um menino), MINHA VIDA MUDOU, a minha menina tinha dois anos e meio, nada me fez desistir do meu bebe… com dificuldades…ele cá está Lindo, deito-me e acordo com eles, SOU FELIZ.
A vida diz-nos que caminho tomar
Abraço
Desculpe qualquer coisa…
I SANTOS a 18 de Março de 2011 às 12:45

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
24
25
26

27
28


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO