Terça-feira, 14 de Dezembro de 2010

(Imagem aqui)

Esta palavra ocorreu-me com alguma frequência nos últimos dias e hoje repeti-a a uma amiga querida quando partilhámos confidências sobre a enorme dificuldade e generosidade que implica esta "aventura de ser mãe" nas suas palavras...

Porque existem conflitos e discussões, mas também um amor imenso...

E porque dosear o amor e a autoridade é trabalho para Hércules...

Gostaria muito de falar aqui com vagar e partilhar  aqui algumas (das minhas muitas) inquietações no meu papel de mãe ou de como este foi o papel fundamental da minha vida, que me trouxe uma imensa paz e grande parte da minha estabilidade emocional, mas também, reconheça-se, foi nesse papel que vivi os momentos mais difíceis da minha vida...

E porque o tempo é muito curto e porque há poucos anos o escrevi com algum acerto numa mensagem dirigida aos meus filhos, partilho-o hoje aqui, na expectativa que sirva de consolo, companhia e estímulo a alguém: 

"Já há algum tempo que tenho isto dentro de mim e penso que hoje chegou o dia de o colocar no papel e deixar este testemunho.

Nunca se sabe o dia de amanhã e como não temos a vida nas mãos, antes que seja tarde, tomam conhecimento.

Durante o vosso crescimento fui eu que disse: presente.

Para o bom e para o mau. (...)

E quando não foi fácil.

Mas eu estive lá, mesmo que não se lembrem.

 Eu lembro-me.

E nunca me furtei a essa responsabilidade, nem empurrei para ninguém o trabalho menos simpático ou difícil que havia a fazer na vossa educação.

Portanto, quando houve necessidade de chamar à razão, de orientar, de conversar de dizer um não– estive lá e disse-o.

Não me preservei descansada numa zona dúbia, nem cómoda.

Abri o peito às balas, preparei o coração e fiz o que foi preciso.

Se foi difícil? Foi impossível de difícil.

Mas foi necessário ao vosso crescimento e, mesmo aguentado o vosso olhar de desprezo e revolta - eu fiz.

E partiu-me o coração, literalmente.

             Porque? Porque era mais importante para a vossa correcta educação do que para o meu bem-estar ou para o meu descanso.

Ou julgam que não era muito mais cómodo deixar este trabalho para outro?

Quem me dera poder ter dividido um pouco mais esta tarefa difícil.

Não seria mais simples e “popular” para mim ter-vos deixado à solta? Que batessem a cabeça...E eu  caladinha, e a assistir ?

Ou a debitar banalidades, ou fazer-me de "amiguinha" apenas?

Seria, mas não é esse o meu papel na vossa vida, e eu sempre assumo as minhas responsabilidades.

Por isso não me preservei em todas aquelas vezes em que  tentei (tive que tentar!) vos contrariar e orientar no meio das crises e desacertos pelos quais vocês passaram ao longo do vosso crescimento.

Os desacertos? Normais,  tinham que existir, fazem parte do crescimento dos jovens.

Assim como é papel dos pais educar

Fiz o melhor que sabia e podia e isto nunca foi um concurso de popularidade...

Era do vosso futuro que se tratava.

Por isso, nada me pesa, de nada me arrependo.

Gosto do resultado e das pessoas que se estão a tornar.

Valeu"

Espero que estas pelavras sejam úteis.

Pessoalmente gostava de as ter escutado quando, no meio da tempestade, tinha milhares de dúvidas...



publicado por Marta M às 23:04
Ser mãe é tudo isto que aqui nos deixas. Um testemunho fantástico de como as mães conscientes e responsáveis se sentem , nas horas em que têm que dizer "não" por mais que isso doa. Seria mais confortável dizer "sim", mas os objectivos a que te propuseste para que os teus filhos fossem o que hoje são, não seriam decerto alcançados.
Ser mãe não é fácil, mas mais difícil é ver os resultados de quem facilitou, quem por comodismo fez de conta que não viu, quem trocou as palavras, por silêncios inoportunos, quem esperou que outros fizessem o trabalho que devem fazer as mães de verdade.

Com este testemunho os teus filhos devem sentir-se orgulhosos, por te terem escolhido como mãe.


Beijos
Manu
Existe um Olhar a 17 de Dezembro de 2010 às 18:07

Olá querida Manu :
Agradeço-te imenso a compreensão e a forma como acolhes e subscreves este meu testemunho...
E pressinto que te sentiste já assim.
Entendes também que o exponho porque uma amiga querida precisa deste "reforço" e temos que ir dando forças umas às outras porque o caminho é muito difícil de fazer sozinha.
Fiz o melhor que sabia e podia, por isso, mesmo na incompreensão (que acredito apenas conjuntural...) o meu alvo não se perdeu, nem esmoreço...
Desculpa-me tanta demora na resposta, mas estes dias nunca são fáceis e especialmente este ano, há muitas coisas de que vamos sentir falta...
Abraço e bom Natal minha amiga.
Marta M a 23 de Dezembro de 2010 às 20:55

Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
31


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO