Domingo, 13 de Dezembro de 2009

 

Sou uma entusiasta de Obama, desde o dia em  escutei falar naquela sua forma serena e, mais ainda, quando tive a oportunidade ler os seus discursos e, mais posteriormente e que veio confirmar ainda  mais a minha empatia por ele, o seu livro "A Minha Herança". Escrito a partir de uma perspectiva absolutamente humana e franca, ao ponto de nos incomodarem algumas passagens em que fala abertamente da sua família ou do racismo que sentiu/sente e aceita com a serenidade de quem já "compreendeu" a inevitabilidade  de certa natureza humana.

O seu sorriso à "Mandela" revela essa mesma serenidade de quem já entendeu e até acolhe com compreensão as fraquezas humanas, não desanima com elas, nem perde o rumo...E isso, tendo em conta tudo e o tanto que já viveu é de uma resiliência enorme e...testada.

A sua política pela positiva, pelo diálogo acolhedor e pela inclusão, é absolutamente radical, desinstala e traz uma perspectiva alicerçada numa bagagem de vida (e origens) que lhe permite testemunhar desde baixo e com obra feita. Não é para qualquer um, convenhamos.

Sobre a polémica que se desatou a partir da atribuição do Nobel da Paz a alguém com base no seu potencial, balanceei entre a surpresa, o assentimento e a reprovação. Comparando-o com os outros galardoados (Mandela, Ramos Horta, Madre Teresa, Luther King...) ainda terá que "mostrar serviço", digamos assim. Mas isso não pareceu impedir o comité de atribuição do galardão, porquê?

Penso que já o compreendi. E hoje, tudo somado, dou o meu apoio sem reservas.

Explico melhor:  vivemos tempos estranhos, de colapso do sistema e mudança do paradigma em que nos habituámos funcionar, mas principalmente, vivemos um tempo de  descrença. Pior: de ausência de bons exemplos, de valores e pessoas que nos inspirem.

Por isso, não foi difícil concluir que Obama é o homem certo para estes tempos de crise instalada e sem resolução certeira e eficaz à vista. Estes tempos pedem que se olhem velhas realidades "com óculos novos" . Estes tempos pedem pessoas diferentes e dispostas a escutar, pesar e decidir com base em mais do que uma única perspectiva. Pessoas capazes de perceber tudo o que está em causa, ponderar, e decidir - porque, sim, há que fazê-lo goste-se ou não (o seu discurso de agradecimento, sendo um galardoado que é também um presidente em guerra, é algo que só ele conseguiu tornar possível, e quase aceitável)...

Estes tempo pedem que todos se empenhem e contribuam para  resolução e para a construção de um mundo novo, mais humano e dialogante.Já não é possível funcionar na forma em que o fizemos até agora...Vejam aonde isso nos levou.

Um exemplo destes, de alguém improvável (observemos as suas origens étnicas e percurso), que subiu a pulso, que é capaz de nos inspirar, nos desinstalar pela surpresa, pela essência da sua diplomacia, pelo registo e pelo exemplo, mostrando que, apesar do horizonte negro, é possível usar outros caminhos...É difícil de encontrar.

Alguém que nos dá uma esperança coerente e possível, em tempos de descrédito? Merece este prémio, e acredito que desde já.

E estamos seguros nesta atribuição, porque ele entende a responsabilidade (mais uma) que lhe caiu em cima.

Escutemos as suas palavras:

"Em todo o mundo há homens e mulheres que foram presos ou espancados enquanto procuravam justiça; há quem trabalhe sem descanso nas organizações humanitárias, para aliviar o sofrimento; e há milhões de anónimos cujos actos silenciosos de coragem e compaixão inspiram até ao mais cínico. Não posso discutir com quem diz que que estes homens e mulheres(...) são muito mais merecedores que eu desta honra" .

Sim, percebemos o peso e a responsabilidade, mas quem, senão ele, mais nos inspirou no último ano?

Quem, se não ele, nos mostrou que "melhor é possível" (L. Alves)?

Quem, se não ele, há de fazer tudo para ser, todos os dias que hão de vir, mais merecedor desta distinção?

 



publicado por Marta M às 20:20
Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
29
30
31


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO