Domingo, 18 de Outubro de 2009

"Quero lá saber! "

 

" Se a setora for simpática comigo inda vá lá...Senão isto vai ser muuuito complicado.."

 

O tom foi seco, o olhar directo e a mensagem não suscitou dúvidas.

 Esta foi a forma ameaçadora como, no início das aulas, um aluno de 16 anos (8ºAno) se apresentou à turma, mas principalmente a mim, sua professora.  O aluno em questão é muito mais velho que os restantes e mais alto que eu quase um palmo, o seu historial refere uma família seriamente disfuncional, retenções sucessivas recheadas de processos disciplinares e um percurso do pior que tenho encontrado na minha prática lectiva...

Ali estava ele, olhos duros e pouco transparentes, ocupando uma carteira numa aula minha e, portanto, a merecer de direito (goste eu ou não) a minha atenção.

Respirei fundo, procurei olhá-lo nos olhos da forma mais neutra e tranquila que consegui (tinha todos à espera da minha reacção) e respondi:

- "Porque inicias o ano com esse tom? Vou tratar-te como mereceres, por isso a forma como o ano vai decorrer dependerá mais de ti do que de mim. Por mim, serei justa contigo".

E passei ao aluno seguinte, desvalorizando ultimato que me havia sido endereçado.

Não foi fácil.

Confesso que o seu olhar é duro e impenetrável, quase assustador se não se tratasse apenas de um jovem. O primeiro que me ocorreu foi que havia ali muita negligência parental e possivelmente maus tratos (sim, ele aprendera aquele olhar cruel em algum lugar lá atrás...).

Não o acolhi tão prontamente como habitual e, humanamente me confesso, teria gostado que ele ali não estivesse e que "alguém" assumisse essa responsabilidade longe das minhas aulas...Pois, foi o que senti.

Toda a viagem de volta para casa foi a pensar nesse jovem rebelde e ameaçador e na melhor forma de o abordar e controlar, por forma a conseguir dar as aulas num ambiente de trabalho. Inicialmente tive pena dos outros alunos da turma, certamente intimidados por esse colega quase adulto, agressivo e, note-se, já com as hormonas em ebulição. Também tive pena de mim, como não? Sete turmas, 100Km diários e agora este rapaz....

Depois como invariavelmente me acontece, assumo as minhas responsabilidades: É meu aluno! Tenho que encontrar forma de lhe ensinar algo, ainda que não sejam todos os conteúdos da disciplina...

É o que tenho feito há quase 2 meses, perco os 10 minutos iniciais de cada aula a conseguir que o C. se sente,  abra o caderno e esteja em silêncio, depois faço-o participar da aula quer pedindo que faça uma leitura em voz alta, quer endereçando-lhe perguntas que sei estarem ao seu alcance.Lembro-lhe imensas vezes que é o mais velho e que deve dar o exemplo. Contrariamente ao previsto - a maior parte das vezes corre bem.

Esta semana, por algum milagre, o C. esteve atento, concentrado e respondeu correctamente a uma questão simples. Elogiei-o com gosto e, perante a conversação excessiva de outros, lembrei, olhando-o directamente que: -"Alguns têm a fama de desestabilizadores e outros é que fazem barulho!".

Ele percebeu. No fim da aula, enquanto arrumava os meus livros, apagou voluntariamente o quadro antes de sair.

O caminho não é fácil, mas acho que chegarei lá. O C. precisa que acreditem nele e lhe mostrem outros caminhos para além dos que ele pensa que existem.

Se não formos nós na escola, quem?

 

 



publicado por Marta M às 20:59
Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

19
20
21
22
23

25
26
27
28
29
30


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO