Domingo, 20 de Junho de 2010

 

 

 

É esta a frase que ano após ano, escrevo, ao despedir-me deles, no quadro negro, na minha última aula em cada turma.

Porquê?

Porque no fim tudo se há de resumir a isso. Às escolhas que em cada momento cada um daqueles jovens há de fazer...

E hão de fazê-las por recurso à cultura que têm e à informação que tiverem acesso.

E à sua circunstância, claro. Mas isso já eu não posso influenciar para além de um certo limite...

É por isso que procuro ensina-los a pensar a partir e para além dos conteúdos programáticos..

A noção clara da  instrumentalidade dos conhecimentos que lhes vou tentando passar devem, para além de todos os dados e datas, permitir que tenham do mundo uma visão geral e organizada que lhes permita interpreta-lo, interagir com ele de forma assertiva e permitir que se tornem cidadãos conscientes e...interventivos. Sim interventivos, porque o mundo é principalmente o que nós fazemos dele e não somos meros espectadores.

 Ou não podemos ser, diria melhor.

Fiz uma proposta aos meus alunos do 9º ano, nestes termos:

"Já se sabe que a melhor forma de aprender é aprender fazendo.

Assim e porque a História deve fomentar o teu espírito crítico e contribuir para a construção da tua cidadania plena, proponho que reflictas sobre os conteúdos leccionados nas nossas aulas e, a partir dos factos e da tua reflexão sobre eles, fales sobre a paz e sobre a tua/nossa responsabilidade na sua construção e manutenção.

 

Questão Orientadora: “ O que aprendi sobre a Paz ao estudar as duas Guerras Mundiais do Século XX.”

 

Os alunos agarraram na ideia e, mais ainda, quando acrescentei à proposta a ideia ilustrativa de, nesse dia, fazermos uma exposição na escola e  virmos todos vestidos de hippies, recriando um certo ambiente (com reservas, claro) à Woodstock (com violas, pandeiretas e a rádio escolar) e oferecendo flores e música a toda a comunidade escolar. A actividade foi um sucesso e eles para além dos trabalhos exposto (Cartazes, dossier, Powerpoints, etc) o espírito de "renovação" e de esperança dos anos 60 e dos seus Movimentos Cívicos, entrou nas suas mentes e impregnou o seu vestuário e quero acreditar, os seus corações...

Mas o mais bonito foi verificar o quanto aprenderam sobre a vida e sobre a humanidade que todos partilhamos a partir do estudo dos temas do programa e deste trabalho final.

A história, repito-o deve ensinar o valor de cada homem e a dimensão que pode tomar o seu seu contributo pessoal, ou que existiram soluções melhores que outras e que as crises já existiram e foram, de uma forma ou de outra, ultrapassadas. E que, como em tudo na vida, há que relativizar e dar a cada questão o seu tamanho, mas principalmente, às vezes, tempo ao tempo.

Provavelmente no próximo ano não estarei com eles ( o nosso agrupamento foi extinto e eu mudo de escola) mas acredito que ficou lá uma semente que há de florir...

Mesmo que eu não presencie, sei que, numa ou noutra altura, estas aprendizagens hão de ser-lhes úteis.

Deixei-os sair da sala com essa certeza.

;)



publicado por Marta M às 16:28
Olá Marta venho saber se está melhor e desejar que se restabeleça por completo. Deixo um beijinho e agradeço a amizade. Tudo de bom sempre.
Fátima Soares a 23 de Junho de 2010 às 14:30

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
30


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO