Sábado, 21 de Janeiro de 2012

Criar um  "oásis" dentro de nós é das recomendações mais sensatas que conheço.

Se pudermos criar um espaço dentro de nós aonde possamos voltar e descansar mesmo quando tudo o resto rodopia e parece desmoronar-se...Pois estaremos sempre a salvo.

E é verdade amigos. É.

Começou devagar, de forma dolorosa e exigente - a conquista deste caminho novo...

Finalmente encontrei alguma paz duradoura. E retive-a cá dentro.

Ou já cá estaria há muito eu não dava por ela de tanto a procurar por aí...

Quando consegui finalmente ultrapassar a necessidade de cumprir uma lenda pessoal que me atribuíra, quando deixei de comparar , quando me esforcei por aceitar que a vida é o que é...Quando quase desisti de planificar tudo ao detalhe, de desejar arduamente, de querer controlar totalmente o meu destino...E o de outros...

Quando finalmente abri a mão de alguns sonhos...

Estranho, quando abdiquei de algumas coisas...Entrou um descanso duradouro dentro de mim. 

Como se já lá estivesse e aguardasse apenas que o meu ego deixasse o espaço vago...

E senti a ansiedade afastar-se e a paz de espírito a instalar-se.

E já aprendi a voltar a ela todos os dias...

No entretanto, a vida têm feito também o seu papel, e continua a exigir de mim todos os dias...

Nem todos os dias correm bem -ontem não correu de todo. Ainda choro e desiludo-me, mas continuo a "batalhar" duramente para tentar deixar este mundo um pouco melhor do que o encontrei.

Feitas as contas, acordo bem todos os dias e, constatando que não teria particularmente razões para isso, percebo com enorme satisfação que afinal, a paz já mora mesmo dentro de mim e o que vem a mim, o bom e o mau, só arrasa comigo na medida em que eu me for rendendo...

É uma luta diária, sem fima à vista, nesta "guerra" de avanços e recuos que é a nossa condição humana...

Hoje, desiludida e zangada pelos acontecimentos de ontem, encontrei-a dentro de mim logo que respirei fundo e fui, de manhã, à sua procura...

Ela lá estava, a minha preciosa paz.

;)



publicado por Marta M às 15:55
Domingo, 08 de Maio de 2011

Esta semana foi intensa de trabalho na escola, tivemos uma série de actividades a cuja logística foi preciso dar resposta técnica, o que significou que na 6ªf,  por exemplo, montámos e desmontámos um palco por duas vezes, tentando perceber se o tempo ia ser nosso cúmplice e podíamos realizar a nossa actividade no pátio da escola. Não foi, como se sabe.

Por isso, todo o trabalho de montar e desmontar palco, cadeiras, colunas, decorações, barraquinhas de comida e de outras temáticas, foi extremamente físico, exigente e demorado. E nessa empresa morosa de repetir gestos e carregamentos, mãos ocupadas, o pensamento ficou livre.

E quando passamos uns pelos outros pela 20ª vez, pois concentramo-nos na tarefa que nos cabe e a mente voa...E eu a aproveitar para arrumar ideias...E indagações.

Por isso, entre idas e vindas, fui recordando e dando sentido a estas palavras sábias, lidas no dia anterior, do livro do kabat Zinn que me acompanha,  que me ajuda a pensar e que hoje partilho aqui com muito gosto:

"O espírito de indagação é fundamental para viver em consciencialização. Indagar não só uma maneira de resolver problemas.

É um forma de se certificar que permanece em contacto com o mistério básico da vida em si e da nossa presença aqui.

Quem sou eu? Para onde vou? O que é que significa SER? Qual é o meu papel no planeta?

Indagar não quer dizer procurar as respostas, especialmente rápidas que surgem do pensamento superficial. Significa perguntar sem esperar respostas, apenas ponderar a pergunta, transportando a dúvida consigo, deixando-a infiltrar-se, borbulhar, cozinhar, amadurecer, entrar e sair da consciência(...).

Indagar significa fazer perguntas incessantemente.

Será que temos coragem de olhar para algo, seja o que for, e perguntar: o que é isto? O que é que se está a passar?

Implica olhar profundamente durante um período contínuo,perguntar, perguntar.

Quais são as ligações? Qual seria a solução mais feliz?

Indagar não é tanto pensar em respostas, embora as perguntas produzam muitos pensamentos que se parecem com respostas.

Aquilo que implica realmente é apenas ouvir o pensamento que a pergunta invoca, como se estivesse sentado ao lado de uma corrente dos seus próprios pensamentos, a ouvir a água correr por cima e em volta das pedras, a ouvir, a ouvir e a observar uma folha ocasional ou um ramo que esteja a ser levado."

Engraçado como a meditação também pode ocorrer entre tarefas mecânicas, ou  partir de uma focagem mais centrada em qualquer actividade (como me lembrou a minha amiga Manu há algum tempo)...

Basta que estejamos um pouco mais silenciosos e concentrados e deixemos a mente viajar, permitindo que os pensamentos se apresentem a nós...

Sem os tentar controlar.

É um exercício muito interessante e pacificador....

E a tarefa, repetitiva e desinteressante, ficou muito mais leve e rápida.

:)



publicado por Marta M às 19:20
Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
Lugares que Também visito ;)
http://optimismoemconstrucao.blogspot.com/ http://joaodelicadosj.blogspot.com/ http://theosfera.blogs.sapo.pt/
pesquisar neste blog
 
Contador de visitas ...
E neste planeta...

contador gratis
subscrever feeds
blogs SAPO