Terça-feira, 23 de Novembro de 2010

 Existem blogs que acompanho religiosamente e são muitos, como referi há dias, e todos me enriquecem como pessoa e todos me acrescentam.

Não prescindiria de nenhum.

O da Laurinda Alves, escritora e jornalista que leio há muitos anos e que já tive o privilégio de conhecer e conversar em mais do que uma ocasião, é uma das opiniões que mais respeito neste país e nunca, mas nunca, me desilude ou mostra a mais pequena incoerência entre o que escreve e defende, quer quando fala em público quer quando milita civicamente.

E fá-lo sempre que considera oportuno e, devo acrescentar, com uma análise muito pessoal, impressiva, sensível e sempre construtiva, nunca hesitando porém em tomar posição, expor-se e defender racionalmente o seu ponto de vista.

Dito isto, vem este post a propósito deste seu comentário (aqui) a uma entrevista que, acredito, muitos neste país viram com o coração nas mãos.

E fiz o seguinte comentário, polémico, mas é o que sinto e gostaria de o partilhar também aqui, com a minha tribo:

"Ontem, apesar de estar muito atarefada, fiz uma desmarcação profissional importante, porque queria muito ouvir e "ver" este jovem. E escutei com muita atenção tudo o que ouvi de ambos interlocutores, mas especialmente, confesso, o que disse o entrevistado.

A jornalista, amiga pessoal de alguns dos condenados ( nesta fase, já não arguidos) não tinha tarefa fácil. Mesmo não subscrevendo na totalidade o registo e o tom, reconheço-o também.

A a situação daquele jovem era pesada e surpreendi-me com o seu registo sereno e contido, macio até.

Senti a mágoa que já se poderia prever, mas que assim exposta, emociona e cria uma empatia que, também eu, não pude nem quero, contornar.

Percebi, finalmente, a razão pela qual o seu testemunho foi tão valorizado neste processo. A forma firme e assertiva convence e cria uma sensação de veracidade em quem o escuta, e torna mais difícil pôr em causa o seu depoimento.

Concordo que algumas questões oportunas ficaram por colocar e que outras eram absolutamente desnecessárias - caso da questão das fraldas...Nada acrescentou à entrevista esta referência tão concreta, bastava ao invés referir as sequelas inevitáveis dos abusos continuados sem precisar de o expor daquela forma.

Agora usando palavras duras, acrescentaria ainda não "detestar", mas sim "odiar" a Mentira e a forma como nós, calejados e desgastados por ela, mesmo tecnicamente convencidos pela conclusão do julgamento, mesmo que o nosso coração tenda para o acolhimento e compreensão da situação deste e outros jovens assim, violentamente roubados na sua dignidade e futuro -por causa dela, continuamos cá dentro, desconfiados e tristes, a murmurar:

- Mas e se..?!

Já vi negarem a verdade demasiadas vezes...

E com a cara lavada, pelo menos à primeira impressão...

Gostaria de poder ter todas as certezas."



publicado por Marta M às 16:25
Fiquei a pensar também e nem tudo foi respondido e ficou clarinho para mim. também fiquei a matutar o porque do livro?
espero como tu que tudo fique claro, As dúvidas são horríveis, mas nestte caso acredito que o tribunal actuou bem
beijinhos
César a 23 de Novembro de 2010 às 18:20

César meu amigo:
Foste hoje o primeiro em comentar e agradeço-te especialmente.
Por duas razões, sendo que a primeira é a tua interpretação correcta sobre o que escrevi - Talvez porque me conheças bem e sabes como me é difícil "alinhar"...
Especialmente sabes que, apesar de estar muito chocada com tudo isto, procuro, ainda assim, colocar perguntas que me parecem pertinentes. E entendes porque o faço.
E ainda em segundo lugar, e apesar de tudo, emites a tua opinião, sem hesitações.
Abraço especialmente grato hoje
Marta M
Marta M a 23 de Novembro de 2010 às 22:10

Boa noite Marta!
Costumo visitar esse blog, embora nunca comente.
Concordo com o que li, sobre este assunto, pois foi exatamente o que senti, sendo que pela primeira vez olhei com menos simpatia a Judite e com mais realismo a situação "Casa Pia" A serenidade do jovem e a clareza e dignidade que demonstrou,tocam qualquer ser humano.
Um abraço minha amiga
Rosinda
Rosinda a 23 de Novembro de 2010 às 20:33

Rosinda:
Eu sei. Senti o mesmo pelo jovem e digo-o inequivocamente quando me refiro ao seu tom sereno, triste e muito convincente.
O seu sofrimento é real e a sua dor papável...Nada disso é sequer beliscado ou discutido.
Apenas acrescento que certezas absolutas são muito, muito difíceis de subscrever. E, como tal, assuta-me que, uma má interpretação, um engano de reconhecimento... possam vir a condenar um inocente e fazê-lo pagar por esta dor.
Seria uma tragédia sobre outra.
Seria...porque certezas não tenho totalmente e isso é, para mim, assustador.
Escutando uns e outros, sem conhecer todos os factos, custa-me apontar o dedo, apenas porque um foi mais capaz de me falar ao coração...
Triste.
Abraço grato
Marta M
Marta M a 23 de Novembro de 2010 às 22:22

Bom dia, Marta!
Perdoe-me não comentar, apenas acrescentarei que é um assunto que fere muitissimo a minha espiritualidade...!
Abraço
Marcolino
Marcolino a 24 de Novembro de 2010 às 08:52

Marcolino:
Não entendo a ofensa.
Leu bem tudo oque escrevi?
Percebo que não comente, mas só não entendo aonde ofende seja quem for.
Mostro total respeito po este jovem,e assinalo claramente empatia. e apenas deixo perguntas porque elas existem.
Não tomo posições finais, nem posso.
Tudo humano
Já escutei o mesmo por aí. E pior.
A sério que ainda não entendo a ofensa.
Mas respeito a sua posião.
Abraço
Marta M

Marta M a 24 de Novembro de 2010 às 09:24

Boa tarde, Marta!
Vamos lá ver se me faço entender.
Não lhe atribuo qualquer culpabilidade ao ter escrito o que escrevi, mas, na generalidade, este hediondo crime de pedofilia, ou qualquer outro relacionado com pedofilia, ou outras violações sexuais, sempre me feriu, fere-me, e ferirá para todo o sempre, não só pelo asqueroso acto em si, mas também pelas nefastas, inultrapassáveis, consequencias fisicas, e psicológicas, nas vitimas.
Já se imaginou violada por um, ou mais que um individuo, de um bando de predadores sexuais?
Tenho uma amiga que o foi, há cerca de 20 anos, contou-me o que sofreu, sei o que ainda sofre e continuará a sofrer, a ponto de ter deixado de querer constituir familia... Somos muitissimo amigos, elegeu-me seu confidente, damo-nos como dois irmãos do mesmo sangue!
Um dia desabafou dizendo: Tu sabes avaliar a minha dor, não porque já sofreste na pele o mesmo crime de que fui vitima, mas conheces bem a dôr, mas a dor provocada pelos estilhaços de uma granada rasgando-te a pele, e as entranhas, quase morreste, por isso sinto-me segura para explicitar, este meu drama, contigo.
Por conseguinte, fujo a opinar sobre este tipo de crimes, criminosos e suas vitimas, crianças e adultos, homens e mulheres.
por não ser um psico-analista, nem psicólogo, nem médico psiquiatra, nem médico legista, considero que respeitar qualquer vitima de predadores sexuais, é nunca falar sobre estes assuntos por falta de conhecimentos ténicos.
Eu penso assim...!
Beijinho de carinho para si!
Marcolino
Marcolino a 24 de Novembro de 2010 às 17:22

Marcolino:
Agradeço-lhe imenso a consideração e ter voltado aqui para falar comigo e clarificar algo que, à partida, não parecia nada agradável - confesso-o.
Compreendo os seus argumentos e respeito-os.
O assunto é mesmo melindroso, pesado, triste e... nada fácil de abordar.
Percebo que tendo-o vivido tão perto, se torne demasiado próximo para marcar distância...
Tem razão.
Abraço de amizade reforçada ;)
Marta M
Marta M a 24 de Novembro de 2010 às 23:49

Olá Marta
Embora tardiamente não quis deixar de vir aqui comentar o conteúdo deste post.
Como deves calcular assisti chocada e emocionada á entrevista e perguntei-me por que só agora apareceu. Penso que ainda há muito boa gente que acredita na inocência dos malfeitores e que só olham para as caras e para as palavras de falsa inocência que ousam proferir nos meios de comunicação social, mesmo depois de terem sido condenados.
Admirei a calma, a assertividade, a ponderação daquele jovem e contrariamente á opinião de muita gente não considerei a atitude da Judite de Sousa como entrevistadora tão má assim, já que se tratava de um assunto tão melindroso que decerto ela própria terá ficado emocionada, mas que como jornalista teve que manter um certo ar de isenção e ali os sorrisos que alguns dizem que devia ter dado , não viriam nada a propósito.
Nunca existirão certezas absolutas, a única realidade que neste momento reconheço e relembro com compaixão é o depoimento daquele rapaz e por mais que tente, nunca conseguirei imaginar a dor que suportou e as marcas que ficarão para o resto da vida.
Espero que esta entrevista sirva de alerta para os senhores da Casa Pia e casas de acolhimento, e que sejam irradicados de uma vez por todas estes actos de vilania.

Beijos
Manu
Existe um Olhar a 25 de Novembro de 2010 às 16:00

Manu:
Agradeço-te o comentário e mais algumas ideias que nos ajudam todos a perspectivar e tratar esta assunto tão melindroso...
Compreendo que sintas - quem não sentiu? Sente? - empatia e , até carinho por este rapaz, cuja vida foi uma sucessão de abandonos e abusos.
Como mãe e professora, este e outros rapazes têm todo o meu respeito e, se pudesse, toda a ajuda e ressarcimento que decerto merecem.
Mas a minha questão é que existem também outros envolvidos e, se serão todos, malfeitores, foi algo que ainda não ficou claro para mim. Se são exactamente estes...
Escuto, escuto e vejo tanto desespero na negação da inocência que algo fica a bater em mim. E não os os consigo ignorar.
Com isto não acuso ninguém de mentiroso, apenas coloco questões que ajudem, acho eu.
Obrigada por mais esta tua ajuda para continuar a pensar...
Abraço grande e bom fim de semana.
Marta M
Marta M a 26 de Novembro de 2010 às 20:37

Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
19
20

21
22
25
26
27

28
29


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
Lugares que Também visito ;)
http://optimismoemconstrucao.blogspot.com/ http://joaodelicadosj.blogspot.com/ http://theosfera.blogs.sapo.pt/
pesquisar neste blog
 
Contador de visitas ...
E neste planeta...

contador gratis
blogs SAPO