Quarta-feira, 29 de Julho de 2009

Em tempo de entrada em férias e ainda que me tente abstrair de um ano repleto de quilos de legislação avulsa nas escolas, sinto-me obrigada a comentar uma notícia na sequência de  uma sondagem do jornal "i" :Portugal e Espanha juntos? 40% dizem que sim.(http://www.ionline.pt/conteudo/15584-portugal-e-espanha-juntos-40-dizem-que-sim) que mostra (novamente) o quão pouco acreditam em si os portugueses. Por ser uma assunto recorrentemente abordado na imprensa, recuperei um texto meu publicado pela Associação de Professores de História e nas Cartas ao Director do Jornal Público (http://ultimahora.publico.clix.pt/?idCanal=171) em 2006...

Mesmo sendo uma apoiante convicta do projecto europeu, acredito que a nossa identidade deve ser integrada e partilhada, não absorvida ou formatada.

Entristece-me, portanto,  conferir que nada foi feito e que nada mudou que permitisse asssegurar que o texto perdeu actualidade..

"

Será possível ler que 40% de portugueses, inquiridos por um Jornal nacional, sobre a possibilidade de tornarmos a Península Ibérica um só país, tenham respondido afirmativamente?
Afinal de que nos serve ter a mais velha definição de fronteiras de Europa? De que nos serviu a Expansão Marítima? E a Restauração? E o 25 de Abril? E oito séculos de História?
Serve para estar nos livros que os alunos não lêem, porque os professores não conseguem transmitir-lhes a nossa memória colectiva ou motivá-los ao estudo do programa em 90 minutos de aulas semanais.Só para falar do ensino básico, onde tudo se começa a jogar...
É vital que se repensem as cargas horárias de disciplinas clássicas, como a História que nos lembra quem fomos e, portanto, quem poderemos ser, para além dos últimos na Europa….
Só se respeita o que se conhece e os portugueses não conhecem a sua História, a sua matriz e, consequentemente, o seu potencial.
Como hão-de lutar por um país que desconhecem?
O Parlamento Europeu aprovou um relatório onde se pede que os programas escolares dos estados-membros incluam um melhor conhecimento da História e dos valores comuns dos europeus. Será que alguém de responsabilidade na planificação dos programas escolares ouviu?
Pode o governo fazer as campanhas que quiser sobre melhorar a produtividade, continuará a não resultar.
Não temos um sentimento de comunidade, nem de povo - essenciais à motivação nacional. Falta investir nessa área...
Podem ensinar todas as técnicas, distribuir computadores a granel,exercitar a matemática, valorizar a economia ,multiplicando as horas de trabalho sobre elas...
Mas um povo sem "alma" não se levanta!

2006"

Pois...Assim não há "novas oportunidades" que nos valham.

Como disse alguém: "para salvar o mundo, todas as palavras já foram ditas, resta agora fazê-lo!"

 



publicado por Marta M às 21:25
Numa fase qualquer uns quantos desconhecidos, entre os quais me incluo, enviamos uns palpites para o Expresso, numa rubrica publicada num sábado sobre este tema!
Não vou raciocinar como o fiz, então! Só hoje, e estou cansado e doloroso, da m/ estadia pela tarde na Prelada – hospital, vou aqui escrever duas linhas.
Espanha hoje não está bem, mas está melhor que nós, está mais à frente, ou nós continuamos mais atrás! O eterno atraso: “ O medo de existir” “ O insucesso nacional”, o primeio escrtito pelo José Gil o segundo pelo Alvaro Pereira!!!!
A vontade de estar mais à frente é normal. Se funcionar o espirito de uma verdadeira União Europeia, com o Tratado de Lisboa, talvez não necessitemos de nos colar aos espanhóis. Basta continuar na UE. Se não funcionar, e veja-se que a Irlanda - o exemplo há meses do desenvolvimento....- está tão aflita que vai dizer sim, quando antes da crise disse não!! Será a fuga para à frente como colagem à Espanha viável? No nosso caso!!!!!!!!!Não sei, mas sem grandes nacionalismos, que muitas vezes deram em disparate, esperemos por mais unidade europeia!!!
Augusto Küttner de Magalhães a 29 de Julho de 2009 às 23:17

Olá!
Sim tem razão, os nacionalismos deram e darão maus resultados.
Por isso falo de "inclusão" e não "imposição" ou etnocentrismo.
O caminho pela positiva, portanto ;)

Obrigada pelas suas visitas que enriquecem este blog.
Marta M a 31 de Julho de 2009 às 00:57

Obrigado, pela simpatiia das suas palavras.

Sei que não quis de modo algum ir para quaisquer "nacionalismos", mas é um tema que se proporciona a facilmente para lá escorregar, com um fechar muito sbre nós próprios. E numa altura de crise, de falta de confiança, muitos se possivel lhes for para aí "iriam"?! empurrar o país, fosse pela "nossa independência", fose pela não União Ibérica, fosse pelo que fosse...evidentmente de forma alguma é e quis ser o Seu caso! Mas fica o alerta para os desprevenidos, e se o fizerem consciente....depois não se quiexem...
Augusto Küttner de Magalhães a 31 de Julho de 2009 às 05:18

Marta!
Sei achei que tinhas o talento e o perfil para teres um blog!
Tens sempre coisas interessantes para dizer e pontos de vista muito teus. Isso é qualidade, sabias?
Prometo andar por aqui
Força!
Paulo C a 30 de Julho de 2009 às 15:00

Paulo:
É bom receber os amigos aqui, mesmo aqueles que não conseguem ser de todos imparciais ;)
Aparece sempre.
Bj
Marta M a 31 de Julho de 2009 às 00:58

Vejo o mundo, somo o que me acontece, vejo os outros, as minhas circunstâncias....Escolho caminhos e vou tentando ver o "lugar" dos outros
Afinal quem penso que sou..
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
31


Aviso:
As imagens que ilustram alguns posts resultam de pesquisas no google, se existir algum direito sobre elas, por favor,faça-me saber. Obrigada.
Lugares que Também visito ;)
http://optimismoemconstrucao.blogspot.com/ http://joaodelicadosj.blogspot.com/ http://theosfera.blogs.sapo.pt/
pesquisar neste blog
 
Contador de visitas ...
E neste planeta...

contador gratis
blogs SAPO